domingo, março 14, 2010

Dizer Adeus




Dizer Adeus

Delasnieve Daspet

Adeus.
Fecho o livro,
Baixo a cortina,
Apago a luz.
Encosto a porta,
O sino dobra,
Saio agora.

Dizer adeus torna tudo tão real,
A verdade perfeita na palavra sutíl
De cinco letras.

Digo adeus,
Para depois, não sentir a ausência...
Pois, a razão da dor, é o não se despedir.

Talvez te veja um dia...
Ou quem sabe, mais tarde,
Quando o tempo do verbo já for passado...

Consciente ou inconsciente
Somos páginas viradas do fim anunciado...
Adeus!

5 comentários:

  1. A Deus! A Ele, que, como escreveu Omar Khayyam,
    "... A vida é um tabuleiro de dias e noites,
    os homens são peças, e o fado temerário as
    toma, move e dá o mate. E uma a uma as pega
    e as vai guardar no armário..."

    Doce poema, duma doçura cristalina, aquela
    de certos frutos que guardam um amargo lá no fundo, e que a gente só sente no final.

    Muito obrigada, poeta.

    ResponderExcluir
  2. Ao ler o seu poema ADEUSm lembrei-me da canção "Adeus" que diz "Adeus, adeus, cinco letras que choram..." (de Silvino Neto, interpretado por Chico Alves).
    Ler o seu poema "Adeus" nos faz bem pela doçura e suavidade...
    A Delasnieve Daspet não sabe, mas estou entre os seus maiores fãs, não só pela sua inspiração literária de grande beleza e intensidade, mas pelo seu denodo, determinação e espírito de liderança que se refletem nas suas inúmeras conquistas no mundo das letras.
    Parabéns, grande poetisa
    Tarcísio R. Costa

    ResponderExcluir
  3. Boa Amizade

    Amigos que se vão com o tempo
    Amizades que se dispersam ao vento
    A alegria que em meu pensamento
    É mais do que um simples momento

    De uma amizade que não se espera nada
    Recebo o respeito que provêem do peito
    Prova que a intimidade sem respeito
    Não é sinal de amizade, é abuso de liberdade

    Mas do valor que recebo de uma boa amizade
    Descubro a real consideração
    Que brota do fundo do coração
    E com sinceridade...
    Agradeço a Deus pelas boas amizades.






    Cesar Moura.

    ResponderExcluir
  4. Lindo seu poema.
    Dizer ades mesmo com suavidade é um ato que entristece.
    Gostaria que conhecesse meu Blob
    Flávia

    ResponderExcluir
  5. A palavra por si já diz tudo... Nestes versos toda a sutileza e a sensibilidade da Poetisa.
    Meus aplausos!
    Iolanda Brazão - Consul - Mesquita - RJ

    ResponderExcluir

Obrigada por nos visitar, por nos ler e por deixar um comentario.
Volte sempre!

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget