domingo, outubro 31, 2010

Silvia Araújo Mota










.
.
DELASNIEVE DASPET-EMBAIXADORA AMIGA
-
Homenagem-acróstica nº 3085
Por Sílvia Araújo Motta
-
D-Digníssima Delasnieve Daspet, querida
E-Embaixadora de Poetas Del Mundo-Brasil,
L-Levo, hoje, ao Criador Maior do MUNDO,
A-As preces especiais, diante do meu Calendário,
S-Santuário com sua orientação sábia e cultural
N-Nas ações, de sua vida de valor extraordinário
I-Incentivador-exemplar-humanista, sob o céu de anil.
E-Exímia Advogada da OAB/CG/Mato Grosso do Sul.
V-Vem trazendo poesia e sabedoria para minha vida
E-E fazendo parte dela, a partir dos seus textos reais.
 -
D-Dedicada WebMaster de sites internacionais,
A-Assina mudanças em minha biobibliografia,
S-Semelhante AMIZADE preciosa do coração,
P-Profeta de acontecimentos raros socioculturais,
E-É uma jóia de brilhante e esmeralda literária,
T-Terá sempre meu SIM à sua CONVOCAÇÃO!
-
P-Parabéns pela sua linda VIDA emoldurada,
A-Aflorada de raros perfumes nos sentimentos,
R-Ricos pela matéria-prima pura e bem-amada,
A-Adornada de amor e perdão nos movimentos;
B-Benfeitorias humanísticas que transformam
É-E retornam plenas de paz e agradecimentos
N-Na libertação dos gestos sinceros que plantam
S-Solidariedade, ética, igualdade e fraternidade.
------------------PARABÉNS!---------------------

Belo Horizonte, 12 de setembro de 2010.

sábado, outubro 23, 2010

Laura Miranda - Pazear




A propósito, gostei tanto da palavra PAZEAR que fiz uma poesia para você ( sairá no licro da Oficina Literária San Juan de La Cruz)
.
          Pazear é fazer a Paz!
          É amar, buscar,
          é ver o irmão,
          é levar a criança, o ancião,
          é conduzir o jovem,
          é combater a corrupção, os recursos bélicos,
          o nada...
          É ser tudo, a natureza, os passarinhos,
          as borboletas, as flores, os mares, os rios,
          é conviver,
                            é viver
                                       é fazer viver !
 Laura Miranda

sexta-feira, outubro 15, 2010

Semeadores do Futuro - Sergio Antonio Meneghetti

Bom dia DD!


Como hoje é Dia do Professor, segue este carinho pra você (professora da Paz) e para todos doadores do maior tesouro, o Conhecimento:
Semeadores de Futuro

A vida na sua sabedoria
Exige a troca de informação
Sem esta o mundo não andaria
Sem mestres não haveria evolução

No inicio da nossa caminhada
Alguém tem que nos estender a mão
Sem esta caridade não seriamos nada
E com esta aprendemos à sábia lição

Doar conhecimento para o crescimento
Amar este dom que do alto vem
Ter sempre este gesto de enobrecimento
Ser mestre, orientador, e amigo também.

Que o nosso maior Mestre
Abençoe quem tem esta nobre missão
Transformando o ambiente terrestre
Iluminando nossa vida e o nosso coração.

Sergio Antonio Meneghetti             15/10/2008

quinta-feira, outubro 14, 2010

Realidade - Delasnieve Daspet

Realidade
 Delasnieve Daspet
             07/07/06 - Campo Grande-MS
  
 
Começo a rever conceitos.
As verdades absolutas desmoronam
muito mais rápido que o parâmetro...
Adernam como nau sem rumo!
Rever conceitos. Conceitos de julgamento.
Coloco minhas verdades, as verdades do mundo
Na tela do microscópio...
O normal, o anormal, o que é o certo?
Revejo, buscando superar etapas perdidas...
Das posições a serem tomadas
depende o porvir!
.
Transfiguro a realidade!
Mas... o que é real?
O que é verdadeiro?
Onde é o começo, o meio e o fim ?
.
O que é real?
A servidão humana? A impotência do bem  e do bom
sujeito a valores , onde o pior,
substitui o melhor de si?!
.
O que é real, diga-me?!
Será factível quebrar elos dos grilhões
que nos impomos?
.
O que é real - pergunto?!
É a  barriga que dói  - na fome?
É a garganta amarga dos ódios contidos?
Ou o  sangue que ferve de injustiças?
Ou este frio que sinto, na plenitude da vida?
.
Realidade de quem nada tem, nem a
oportunidade da escolha,
de não poder entregar-se a força de suas paixões,
mas, pautar-se, nas sobras...
.
Isso convém - a quem?
Isso é real?

quarta-feira, outubro 13, 2010

Agradeço - Delasnieve Daspet



Agradeço...
Delasnieve Daspet
.
Agradeço, o amor infinito;
Agradeço, o amor incomparável;
Agradeço, por que pensastes em mim;
Agradeço, porque sei que não me deixastes a própria sorte,
Porque sei que estas comigo,
Não só por hoje,
Mas por todo o sempre!
.
Toda vez que eu sorrir,
Toda vez que eu chorar,
Toda vez que eu me recolher,
Toda vez que eu me doar, agradeço!
.
Agradeço!
Agradeço a vida, a dignidade,
E a certeza de que tudo é possivel...
Podemos, sim, conviver sem medo,
Sem rancor,
Em harmonia.
.
Agradeço pelo sol, pela lua,
Pelas estrelas, pelo vento, pela chuva,
Pelo  calor, - que é a vida que transborda!
.
Agradeço, porque creio.
Creio na rua chamada Esperança
Pela qual caminhamos há tanto tempo!
.
Agradeço,  porque acredito no ser humano,
Imagem e semelhança do amor...
Agradeço, porque acredito na vida,
Que célere e quente
Circula por minhas veias!
.
Agradeço, pela margarida branca
Em céu de sol dourado,
Perfume da mata que viceja,
Em meus rubros lábios sedentos...
.
Agradeço, pois que surges no final da tarde,
Tal qual andorinha sem ninho,
Em busca do ramo orvalhado...
**
Delasnieve Daspet
22.02.06 10,35 hs
CaAmpo Grande MS

Apresentando-me - Delasnieve Daspet

No rio Bonito - em Bonito - MS
Apresentando-me
 
Delasnieve Daspet
.
Sou nascida Delasnieve,
Herdei " Daspet"  do meu pai,
De minha mãe veio o "Miranda",
Adotei  " de Souza " do marido,
Tenho dois filhos - Marcel e Werner,
Faróis que me acompanham.
.
Advogo há trinta e cinco  anos exerço a
Minha cidadania na solidariedade
Com crianças carentes - cuidando de
Sessenta - tento integrá-los à sociedade,
Mostrando que existem direitos e deveres.
.
E como companheiros de todas as horas,
Sentados ao meu lado, amando-me,
Sem regras e sem cobranças,
Misha e Bandit, dois poodles,
Killer e Mylade -  um boxer e uma vira-lata,
São saudades eternas!...
.
Na internet me conhecem por Luna,
Que era como meu pai me chamava...
Mas na verdade meu nome deveria ser
Saudades... pois sou mesmo
Uma pantaneira saudosa, uma mateira!
.
Sou nascida e crescida em fazenda...
Sou vinda lá de onde o Brasil já foi Paraguai,
Lá onde o sol faz amor com o  rio,
E fazem nascer o mais belo por do sol,
A mais bela noite estrelada,
A mais linda e amante lua,
Onde vejo a Iara sentada ao lado dos sonhos!
.
Sou do mato, sim!
Tenho " añoranzas" do verde das matas,
Do doce vento das tardes,
Do cantar das aves,
Das boiadas a caminho das pastagens,
Do convívio gentil e amigo do pantaneiro,
Gente forte, orgulhosa raça, deste Brasil!
.
Quero falar de minha infância,
Para que melhor me entendas,
Lembrar,  do leite quentinho, no mangueiro,
De saudáveis vacas,
Das quais, só não se aproveita, o berro!
.
Lembro, ainda, ah! saudades, como maltratas!
Lembro das manhãs no mangueiro,
A mim, cabia soltar os bezerros,
E de recompensa um copo de leite fresquinho;
.
Depois, antes da lida, havia o " quebra-torto"
Linguiças caseiras, morcilias, carne seca,
Um churrasco, um tatu preto frito,
"Maria-isabel", tortilhas,
Ou um bom carreteiro!
..
Aprendi a fazer relhos, chicotes, pequenos laços,
Trançados de " 8 " em couro cru...
E das patinhas da vaca - geléia de mocotó!
...
Ah! saudosos tempos,  aqueles!
Quem me dera tudo parar,
Voltar o tempo, voltar ao mato!
Sentir o cheiro do amanhecer nas campinas,
Ver o verde pasto até a colina,
O rio que desce mansinho acompanhando a serra...
..
Ver de novo, a mata verde e rala do cerrado,
Sorver o mate quentinho nas manhãs frias,
Sentir, em meu coração,o doce olhar de minha mãe,
E o sorriso benevolente de meu pai...
.
Ouvir um velho disco na vitrola,
Um berrante choroso ao longe,
O dolente choro,  do pinho, aconchegado ao peito.
Sentir o barulho esfusiante dos
Patos, galinhas, galos, porcos, cachorros, papagaio...
A vida, no mato, é perene!
.
Eu sou  Delasnieve,
Cuja alma é uma lua errante,
Cujo céu  se enche de furtivas lágrimas,
Que descem pelo meu olhar...
Era tão feliz... Mas tenho de tocar em frente...
Seguir!
.
Delasnieve Daspet
Em Campo Grande-MS, 9,57 hs
09/02/05

segunda-feira, outubro 11, 2010

Lembra? ... Sera Que Alguém Lembra?! Delasnieve Daspet

na escuna - em Búzios - RJ
.
Lembra? ... Sera Que Alguém Lembra?!
Delasnieve Daspet
.
Sigo, agora, o caminho que me resta
Não mais me encontrarás pela vida
Com endereço determinado,
Sairei pelo mundo, vagando,
Aposentei o CIC e o RG.
.
Seguirei minha sina,
Cigana errante de tantas vidas,
Estarei em todos os luares,
No pico das montanhas,
Nos amanheceres.
.
Serei o cantar da  sururina,
 Cada estrela que brilha
Iluminando  regato que atravessa a colina.
.
 
Cassei minha voz...
Não espere ouvir-me de novo,
Tentarei recomeçar com  sorriso.
Mas... levo o violão como escudo
Não te preocupes comigo.
.
E quando eu escurecer,
Quando não  mais me  enxergar
Sinta no céu a centelha
Da estrela verde que brilha
Em sinal do meu adeus!
.
E não me pergunte mais nada...
Quero olvidar de tudo,
Não sei se existi, se vivi,
Pois do tempo que existo
A dúvida, matei-a, na garganta
Fechei-me à qualquer  discussão.
.
Sou passado, fui futuro...
Já fui começo, meio e fim...
Hoje apenas vago e divago...
Fui um sonho, hoje nem sonho!
Lembra?...
Será que alguém lembra?!
.
Campo Grande-MS - 12.12.04

Olhos cor de chuva... Delasnieve Daspet

Em Paris...
Olhos cor de chuva
   Delasnieve Daspet
.
Hoje as lembranças vão acabar;
Vou afugentar as lágrimas solitárias...
Um novo sonho vou buscar.
.
Hoje, não vou respirar o suspiro de tristeza;
Vou olhar o sol nascente no novo dia,
Pois quando o violino tocar
As folhas balançarão no ar...
.
Hoje, finalmente, verei o sol-por
Nos olhos grandes e belos,
Amarelos e ensolarados,
Olhos cor de chuva,
Em dias de cinza nublado...
.
Hoje, já não importa,
Se nem lembranças sobrou
Na sombra o gesto calou...
Já não vou chorar,
Tenho coisas para recordar...
.
Ouvirei sinos a noite...
Não se ouvem sinos a noite?!
Não importa, já se foi a minha primavera,
Mas deixaram a tarde plúmbea;
Cinzas... mar após a tempestade!
.
Hoje, olhos calmos e belos,
Cheios de luz da tarde,
Olhos molhados de chuva,
Olhos de saudade,
Hoje, enfim, posso dizer
Ainda te amo,
Mas não gosto mais de ti!
         Campo Grande-MS 16.01.05

D de Delasnieve de Altamirando da Costa Lima Filho

D de Delasnieve
.

Existem
três tipos de poetas:
Os que parecem falar por Deus.
Os que tentam falar por Ele.
E os que só
os parentes percebem.
Por sorte temos você
que nos escuta pacientemente
como poetas,
mesmo não sendo parente.
Foi a sutileza dos seus versos
que me contou
como é você.
Obrigado por ser poeta!

                                                      Altamirando da Costa Lima Filho
  

Matrioskas - Maria Mogorim

 Poesia que fiz para você, Delasnieve!
                                 Maria Mogorim
.
Matrioskas
.
 
Leio tuas poesias
em cada uma és diferente:
em umas meiga, serena...
em outras meio áspera, reticente...
Tentando te descobrir, me descubro...
Nós mulheres somos todas assim:
Umas dentro das outras...
Sentimentos que não têm fim!

CENTRO MUNICIPAL DE BELAS ARTES

Jornal O Mato Grosso do Sul Segunda-feira, 11 de outubro de 2010
Pag. A2
.
Opinião
.
Ganhará Campo Grande e ganhará Mato Grosso do Sul
.
Nelson Vieira
.
Após marchas e contramarchas foi anunciado em alto e bom tom, em evento realizado no Armazém Cultural (ex-estação ferroviária), que será mesmo construído o CENTRO MUNICIPAL DE BELAS ARTES, na cidade de Campo Grande-MS, naquele local, onde antes fora previsto a instalação de uma rodoviária moderna, nos padrões das existentes em cidades consideradas de grande porte. Uma obra que teve início, porém não foi levada adiante.
 A então prometida rodoviária gerou muitas expectativas, porquanto para uns seria a redenção da região, iria alavancar o progresso e valorizaria os imóveis, enquanto para outros seria a perda da tranquilidade, motivada por transtornos, em face do fluxo de pessoas no lugar, principalmente quanto ao quesito violência.
 Para a felicidade de todos, hoje já temos uma rodoviária moderníssima, edificada em outra localidade, aqui na Capital, em pleno funcionamento. O anseio dos campo-grandenses tornou-se real. Aliás, sonhar ainda é permitido. Mas, dizíamos do anúncio referente à criação do CENTRO MUNICIPAL DE BELAS ARTES, nos moldes da prévia apresentada em outra ocasião, no gabinete do prefeito municipal, para divulgar a intenção da construção do centro cultural, com explanações relativas às atividades culturais a serem contempladas, naquele espaço no futuro. Lembramos bem do questionamento feito ao senhor prefeito, pela Sra. Delasnieve Daspet, que perguntou: “A literatura para os senhores não é considerada, cultura?” Sem dúvida que a resposta foi positiva.
 Mas, a indagação fora feita em virtude da constatação de que a literatura ficara no prejuízo, pois passara despercebido o ato de contemplá-la no projeto, justamente a literatura, a arte de escrever de várias formas, obedecidas às regras, que contribui com outros segmentos culturais, por exemplo: teatro e canções. Assim, foi solicitado a Sra. Delasnieve, que falasse com os técnicos que estavam à frente dos trabalhos de elaboração do projeto no todo, por determinação do senhor prefeito.
Posteriormente, essa mesma senhora, ofereceu um projeto relativo à inclusão da literatura, no qual solicitou a criação de uma sala para os escritores sul-mato-grossenses, para realizarem exposições, e um auditório para lançamentos de obras literárias, cursos e atividades culturais ligadas à literatura. E, justiça seja feita, a literatura também foi contemplada.
 Passados os momentos de contentamento, de euforia e, com os pés no chão, vamos aguardar a entrega à sociedade, do presente que todos sabem o que é, mas que estão ávidos para ver, usufruir e que redundará em dividendos à cultura, economia e para o social.
Com certeza, o CENTRO MUNICIPAL DE BELAS ARTES, será um referencial, um monumento à cultura, para demonstrar o que se faz nesta Capital e no Estado e, oportunizará recebermos outras manifestações culturais de várias regiões do Brasil e do exterior, que virão participar e contribuir para elevar cada vez mais a nossa cultura, nos cenários nacional e internacional.
 Ganhará Campo Grande e ganhará Mato Grosso do Sul.

quinta-feira, outubro 07, 2010

Mãe da Poesia - César Moura


Mãe da Poesia
.
Mais bela a cada dia
Dela a mãe da poesia.
. .
Vivia eu órfão,
Neste meu alfa fundamental
Às vezes perdido analfabeto
Assistindo de perto e pasmo
O gigantismo da literatura universal,
Quando de repente me senti adotado;
Sim, um filho por adoção!
.
Não sentir-se só neste mundo,
Transforma o homem do pó
A uma estrutura firme em poucos segundos.
.
Muitos como eu, com pouca ambição,
Deveras lembrar nossa humilde condição
Aclamamos-te por adoção, mãe da poesia.
“DELASNIEVE DASPET” hoje é o seu dia,
Parabéns!
.
Cesar Moura

Um Buquê - Geraldo Ferreira


UM BUQUÊ
 .
No pântano colhi um buquê
Pra seus dias enfeitar
Lembrei-me de você
Com aquele ar de não sei que
Sempre a me questionar.
E agora segue calada
Falando por todo canto,
Cantando na fala encanto,
Lutando pela jornada.
Às vezes engolindo pranto
Às vezes dando risada
Minha índia pantaneira
É uma estrela da estrada

Homenagem de Silvia Araújo Motta


DELASNIEVE DASPET-EMBAIXADORA UNIVERSAL DA PAZ-AMIGA POETA DO MEU CORAÇÃO-PARABÉNS PELO NATALÍCIO
-
Homenagem-acróstica nº 3085
Por Sílvia Araújo Motta
-
D-Digníssima Delasnieve Daspet, querida
E-Embaixadora de Poetas Del Mundo-Brasil,
L-Levo, hoje, ao Criador Maior do MUNDO,
A-As preces especiais, diante do meu Calendário,
S-Santuário com sua orientação sábia e cultural
N-Nas ações, de sua vida de valor extraordinário
I-Incentivador-exemplar-humanista, sob o céu de anil.
E-Exímia Advogada da OAB/CG/Mato Grosso do Sul.
V-Vem trazendo poesia e sabedoria para minha vida
E-E fazendo parte dela, a partir dos seus textos reais.
 -
D-Dedicada WebMaster de sites internacionais,
A-Assina mudanças em minha biobibliografia,
S-Semelhante AMIZADE preciosa do coração,
P-Profeta de acontecimentos raros socioculturais,
E-É uma jóia de brilhante e esmeralda literária,
T-Terá sempre meu SIM à sua CONVOCAÇÃO!
-
P-Parabéns pela sua linda VIDA emoldurada,
A-Aflorada de raros perfumes nos sentimentos,
R-Ricos pela matéria-prima pura e bem-amada,
A-Adornada de amor e perdão nos movimentos;
B-Benfeitorias humanísticas que transformam
É-E retornam plenas de paz e agradecimentos
N-Na libertação dos gestos sinceros que plantam
S-Solidariedade, ética, igualdade e fraternidade.
------------------PARABÉNS!---------------------
-
http://clubedalinguaport.blogspot.com/2010/09/parabens-pelo-aniversario-natalicio.html
-

-
http://recantodasletras.uol.com.br/acrosticos/2515007
-
Belo Horizonte, 12 de setembro de 2010.

Uma homenagem - Dirceu Thomaz Rabelo


A necessidade de um porquê.
 .
                                 Dirceu Rabelo (será?)
 .
                                 Para Delasnieve Daspet
 .
Releio Nietzsche e me assusto mais uma vez.
Relaxo-me com um reconfortante Topamax.
Além de sua autêntica e profunda loucura
Em busca de explicações de coisas
Que ele próprio não sabia explicar,
Acusa os poetas (como ele) de serem filósofos.
E por quê? Porque formulam sempre porquês.
Diz ele: para um poeta, uma folha que cai,
Não é somente uma folha que cai,
Como um simples mortal a vê caindo.
Vem-lhe a dúvida.
Para o poeta, uma folha que cai pode ser levada pelo vento
Ou arrastada pela correnteza do riacho
Ou cair revoluteante à margem do regato.
E para Nietzsche a pergunta é, muitas vezes,
A antecâmara da dúvida.
Ou a dúvida, quem sabe, a antecâmara de uma pergunta?
Meio na dúvida, começo a concordar com Nietzsche.
Deve ser como partícula e antipartícula, afora o hífen.
Entenderam? Nem eu! Nem o antieu.
Tomo meu Seroquel de 100 mg, e fico parado,
Sistematizado, nesta dialética trágica
Que me traz o tumultuário para minha mente,
Já bastante combalida.
Digo boa noite a Nietzsche, que permanece de pé
Na cabeceira de minha cama, encaracolando com o dedo seu bigodão,
Trajando uma vistosa farda de Napoleão,
Com uma suástica no peito, bem ao seu jeito.
Ele sorri para mim e ajeita a minha camisa de força.
E eu durmo como um anjo, louco, mas anjo,
Pensando ser poeta e, portanto, filósofo.
Que isso nunca chegue nos ouvidos de mamãe!


Para Delasnieve Daspet - César Moura


Cada poeta se desteca em algum ponto, você é pela retórica perfeita, o seu uso de pontuação é preciso, muito bom! Centralizado na alma.
 .
 Hoje conheci um homem que estava vendendo um pequeno livro de poesias na Av Paulista, conversei com ele, comentei com ele que também escrevo poesias. Perguntei se
fazia parte de algum blog ou site, ele me respondeu; Não! - sou anti social, acrescentou o nobre poeta solitario. Li o poemas dele e fiquei encantado com a simplicidade de seus textos, porém um pouco desapontado. Vejo o seu exemplo Das, a sua dedicação em divulgar a poesia e a arte sua e de pessoas assim como eu, que você quase não conhece.
 Aprendi escrevendo, que melhor  que publicar um livro é compor, e melhor ainda é contribuir para que a poesia ganhe força de expressão e arte junto as pessoas, em todas as formas sociais.
 Parabéns para você Daspet! 
 Vejo em ti um reflexo para mim.
 .
 Cesar Moura

A SAÍDA - HOMENAGEM À DELASNIEVE DASPET

                                                      
                                                    A SAÍDA
 .
À Delasnieve Miranda
 Daspet de Souza,
Dedico este poema.
 .
Todos os dias,
À minha porta,
Vem alguém rogar,
                          [o pão.
Todos os dias,
À minha porta,
Vem alguém buscar,
Alento e pão.
 .
Vou ajudando,
Na medida do possível,
Também necessito de amor,
                                      [e pão.
Hoje,
Fiquei de sentinela,
À porta esperando,
Quem quisesse pão...
 .
Amanhã,
Quem virá,
Pedir-me carinho,
Palavras e pão.
 .
Ontem, sozinho,
Olhava pra’s paredes,
Sem saber a quem,
Distribuir meu pão.
 . 
Ontem,
À porta,
Saída do meu destino,
Ele veio,
Tão pequenino!
Tinha as mãos sujas,
Os pés descalços.
Ele parou,
Pensei que pediria pão,
Antes de ir embora,
Ofertou-me uma rosa,
Furtada em caminhos da vida,
Em algum jardim de sonho.
 .
Não haveria de ser nada,
Era só um menino...
  
         Não escolhi escrever este texto, posso afirmar: _Ele veio sutil e me escolheu. Mas havia a certeza de que ficaria por pouco tempo; deixando de me pertencer.
            _A quem dedicá-lo?
            _Chegou o momento, após quatro anos de inconsciente espera.
            O poema faz-me lembrar o trabalho humanista desenvolvido pela poetisa Delasnive Daspet, tornando justa esta homenagem.

Nelci Nunes - O FALADOR.
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=5415
http://muraldosescritores.ning.com/profile
/Minhaprofissaoe
http://www.skoob.com.br/meus_livros/estante/20646/1/page:1

sexta-feira, outubro 01, 2010

A procura da verdade...




A Procura da Verdade...
Delasnieve Daspet
.
O terrível de procurar a verdade
É que de vez em quando a gente a encontra.
As vezes não basta ser justo para ser reto...
As coisas acontecem independente de nosso querer.
.
Todos temos escondidos em nós um desejo.
Um desejo que acabará quando formos apenas pó:
A busca da beleza e da verdade...
Keats dizia que a verdade é a beleza,
Que a beleza é a verdade!
.
Como fugir desta necessidade?!
Como matar o mistério que dá significado à vida?!
Só diante da morte, na hora do adeus,
Só na presença disforme da dor,
Pensamos verdades...
.
O que é a minha verdade?
O que é a essência do amor?
Mas... Já não canta o rouxinol,
Já não toca o sino,
O sol não brilha...
É o mistério da vida,
Mistério da morte.
.
O que é, então, a verdade?
Apaixonar-se e perder o controle?!
Entregar-se a algo?
Dividir os mais profundos medos?
Ou é a magia do ar
Que balança, que passa, que carrega
O perfume do mar?
.
Delasnieve Daspet
Campo Grande- MS 20.12.04


















Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget