sábado, junho 30, 2012

Do tanto tempo adiado... poesia de Delasnieve Daspet

Do  tanto tempo adiado...
Delasnieve Dáspet
.
Tão singular como o vento
que sopra a terra molhada,
nunca parando;
.
Tão suave como os dedos que acariciam
os braços secos da árvore caída,
morta, ceifada de vida;
.
A tua espera foi
tão verdadeira como o sino que dobra
na velha capela.
.
Tão eu, como os olhos orvalhados,
que é como vou me lembrar,
deste dezembro dourado.
.
Tão invisível como o ar,
floresceste, amor, docemente,
em meu viver.
.
Tão difícil te esquecer, minha vida,
sem uma aparente razão,
não tenho como te tirar do coração.
.
Efêmero momento,
passagem distante, hiato de tempo,
que pára e segue buscando o nada.
.
Tanto te busquei,
tão tarde te achei,
não sabias de teu destino?
.
Mas eu te encontrei
amor de minha vida,
sem ti, tudo foi árido.
.
És meu destino, minha  luz,
não me prives  de ti...
não mais fujas, fique,
sabes como eu, sabes do aqui
e do agora, tanto tempo adiado.
DD_Delasnieve Daspet -13,50 hs - 13-12-03 - Campo Grande MS

segunda-feira, junho 25, 2012

Solidão Escolhida. - poesia de Delasnieve Daspet

 Solidão  Escolhida.
         Delasnieve Daspet
.
Aproveito o tempo,
sem medo de esperar.
Foi esta a decisão pesada, ponderada.
Pode não ser a mais certa
mas é a que mais me agrada.
.
Queria passar momentos em paz
dentro de todos os dias da minha vida,
sem me preocupar com nada,
ambiente, amigos,  desconhecidos
sem festas ou sorrisos,
apenas eu, comigo.
.
Cansei do tudo sempre  igual
desse vício que mantemos n´alma:
esse, de se cumprir - sempre - os requisitos.
.
Não estranhem - não vou mudar
d´água para o vinho.
Nem ficar em clausura deliberada,
absolutamente só...
Apenas vou buscar outras convites da vida
numa solidão escolhida.
.
E, em meio a felicidade interior que sinto,
que me enleva o espirito,
que alegra meu sorriso,
vejo da minha janela o mar,
que bate incessantemente nas pedras,
sem nunca cansar,
me faz permanecer inteira, sem artifícios.
.
Sou testemunha de um enorme prazer
que compartilho emocionada:
existe a pureza
existe a sensibilidade
existe a beleza
existe o amor,
na plenitude da imensidão do céu azul e do verde mar...
Existe paz neste novo  iniciar!
DD_  Delasnieve Daspet -  Salvador, 20 janeiro de 2004.
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=85893&cat=Poesias&vinda=S

domingo, junho 24, 2012

DUETOS: DELASNIEVE DASPET e SONIA NOGUEIRA: QUANDO OS OLHOS SECAM x



QUANDO OS OLHES SECAM
Delasnieve Daspet
.
Quando os olhos secam
É porque já chegamos a um lugar
alem das lágrimas.
.
Um espaço desolado e silencioso
Onde nada cresce
E os sonhos são abatidos
Por falta de sustento.
.
Sem perceberes, alheio ao que te cerca,
cruza o rio invisível...
E teus olhos e tua boca
Jazem, cheios de pó, no incomensurável.
.
Perdi as lágrimas, perdi o conforto.
Apenas o vazio
Há séculos recordas e ouves.
.
.
Quando os Olhos Secam
Sonia Nogueira
.
É rio que não corre na vertente
O dia descolorindo a poesia
A alma já cansada em agonia
Veleja sem ter rumo afluente.
.
As sombras murcham alongadas
O corpo indolente quase nada
Derrama languidez na madrugada
Embalde fita olhares nas estradas.
.
A face perdida na distância
Perde o rosado da alegria
Nem o vento varre a agonia
Mas carrega da hora a vigilância.
.
As horas estacionam dolentes
A vida corriqueira se multiplica
A lágrima vazia só implica
Em não aparecer, lágrimas carentes.

http://www.recantodasletras.com.br/duetos/3715730

DUETOS COM DELASNIEVE DASPET - Chorar, de Delasnieve Daspet/ Chorar de saudade-Marcoantonio

.
Chorar
 Delasnieve Daspet
.
É tanto sentimento alojado
no meu íntimo
que ao abrir as comportas da opressão
sempre choro.
.
Choro por estar feliz.
Choro de tristeza.
  Choro por sorrir.
Choro - com lágrimas que
lavam a alma.
.
Na vitória. Na derrota.
Na emoção. Na satisfação. No prazer.
São lágrimas de conquista.
De reconhecimento. De consolo.
Da satisfação de um sonho realizado.
Lágrimas de recompensa
de longas noites de vigília e espera.
.
Choro por orgulho de saber chorar.
Lágrimas que lavam
uma dor incomensurável
que saem de uma alma ferida.
 Choro a saudade
na sinceridade do afeto.
.
Não quero chorar o desespero
da imprudência ou da incapacidade.
Não quero chorar a intolerância.
Não quero chorar o desamor.
Não quero chorar a falta de
 caridade e nem de remorsos.
.
Estas são lágrimas que não aliviam.
Quando chorar, quero a alegria da paz.
Devagar vou conhecendo
A força e a beleza no silêncio do chorar!
DD_Delasnieve Daspet - 25.10.02 - Campo Grande - MS
.
.

Chorar de saudade.
Marcoantonio.

Não me envergonho de chorar,
não me sinto fraco, nem penso
que deva ocultar o meu pranto...
O meu pranto é real,
no sentido da realeza
e não somente no da realidade virtual.
Choro de saudade de teus beijos,
que ainda ontem enfeitiçavam a minha boca
e adornavam meu coração...
que deles chora de saudade.
Sinto o aperto na garganta,
que, como faca afiada,
vai cortando os pedaços da minha alma,
que te ama e te adora
e não se conforma com a distância de tuas mãos
e deseja a carícia de teu amor...
Choro por ti, não porque exista
a dor do adeus imotivado...
Mas meu pranto é chorado,
porque amo todo o amor que fizemos
e que merecemos viver...
Choro pela falta das mãos, que aprendi a afagar,
fora da realidade do poema...
Todo o meu tema é um canto de amor
sem limites a te consagrar na minha vida...
Minha mulher querida,
é teu o meu sonho e a minha realidade,
por isso vem a dor da saudade
me fazendo confessar,
entre lágrimas e soluços,
que só a ti eu quero amar...
Para chorar o amor amante,
é preciso a coragem de um gigante,
que se ajoelha, diante da tenda  de sua amada
e lhe diz que esta pousada
não é irreverente, nem mal pode causar...
Meu amor por ti não é loucura,
ele todo é ternura pura,
que sentiste em minha boca,
quando dela, ainda ontem,
sentias o calor dos beijos,
que nos demos...
Tenho o direito sagrado
de chorar sobre o meu poema,
quando esta mulher amada
se encontra longe de mim,
na materialidade contida na distância...
e na presença alicerçada no amor de nossas almas.
Choro por ti, com o coração
 doendo de emoção e imbuído de amor...
Te espero com a sofreguidão
da impaciência de minha alma,
que perdeu  toda a sua calma
e só clama por teu amor...
Amor da minha vida,
adoração perene de teu poeta,
que te deseja a todo o instante,
mesmo que em meu semblante
se mostrem, agora, tantas lágrimas... 

Outro dia surge - poesia de Delasnieve Daspet

Com alunos do curso de Biblioteconomia do  Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima/CEPEF
Foto de Teresinha Lima
.
Outro dia surge.
               Delasnieve Daspet
.
Não existe tempo melhor
Que o presente.
A noite está linda,
Estrelada e agradavel,
E eu quero falar.
.
Andei devagar.
Nem fiz muita questão de ganhar...
Nunca parei para pensar
Do tanto que tinha a perder
Por me abandonar.
.
Outro dia surge.
Abro as janelas de minh´alma
Para viver a vida
De verdade.
.
Cansei de apenas vagar,
De combater moinhos de vento,
Vendo o por do sol entendo,  finalmente,
Que por qualquer estrada que eu siga
Preciso de mim, inteira!
.
Não necessito outras provas.
Posso respirar e aspirar
Os ventos que vem e que vão.
.
Jogo pedras no lago
E afundo no labirinto das águas
Os sonhos que me mantém.
DD_Delasnieve Daspet - 07-08-03 - Campo Grande MS

.
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=77057&cat=Poesias&vinda=S

sexta-feira, junho 22, 2012

Data Vênia! - ( Para o Juiz ) - poesia de Delasnieve Daspet

Data Vênia! - ( Para o Juiz )
                  Delasnieve Daspet

Me destes o direito de petição sobre a questão,
Com observância, plena, da eficácia.
Fazendo vislumbrar, quem sabe, a antecipação da tutela;
Mesmo sendo advogada, já velha,
Não sei lidar com churumelas...
 
Ao observar o interesse no feito,
Confesso, fiquei preocupada,
Requeiro, muita observãncia,
Apenas como preâmbulo,
Ao analisar o fato.
 
Imaginemos, apenas, ad cautelam,
E se tais documentos,
Não forem como esperas?
 
Tenho muito receio,
De cometer erro crasso,
Ou ainda, data maxima venia,
Sem querer, trocar as partes,
Comparecer perante o MM Juízo,
Com premissas falsas que não me
Premiem com acertos da cautelar que requeiro;
 
Deixo a V. Exa. a análise da questão...
Se achar que é melhor indeferir a medida,
Pelos pressupostos amplamente elencados nos dispositivos legais,
Confesso, a curiosidade atiça esta causídica...
 
Mas, se entretanto, quiser mandar as favas,
Tanta legalidade, fica desde já o pedido,
Faça uma análise suscinta,
E dê-me conhecimento de sua decisão.
 
Este pedido encontra-se respaldado,
Nas lei adjetivas  sonhadas e não levadas a efeito,
E no prazo legal.
P. Deferimento,
Dado e passado na cidade de Campo Grande,14 de agosto de 2005
 
Delasnieve M. Daspet de Souza
 
Poesias-->Data Vênia! - ( Para o Juiz ) -- 14/08/2005 - 20:30 (Delasnieve Daspet)

segunda-feira, junho 18, 2012

DELASNIEVE DASPET, ARIADNE CANTÚ E NELSON VIEIRA PARTICIPARÃO DO CIRCUITO NACIONAL DE FEIRAS DE LIVRO

 CIRCUITO NACIONAL DE FEIRAS DE LIVRO


PROGRAMAÇÃO CAMINHOS DA LEITURA - CAMPO GRANDE
.
QUINTA 21.06.1209h30 - EVENTO DE ABERTURA15h30 - Debate Escritor a Definir, Prof. Heraldo Stockler Bojikian - SED
Tema: Literatura na Internet10h - Contação de Histórias com Mirian Montanari10h - Gilberto mattje - Tema: Bullying: Estratégias de prevenção
14h - Fabricio Carpinejar
14h - Teatro Infantil com Maria Marta 14:00h - Quincas Berro D'Água
18h30 - 20h00 - Ariadne Cantú - Tema: O papel da Literatura para convivência com as diversidades
18h - Oficina de Pintura com Ana Ruas17:00h - Meu nome não é Johnny
.
SEXTA 22.06.1214h - Gilberto Dari Mattje15h30 - Ariadne Cantú, Delasnieve, Miranda Daspet de Souza e Nelson Vieira. Mediadora: Prof. Me. Marcia Proescholdt Wilhelms - SED
10h - Maria Marta10h - Ricardo Leite - Tema: Mídias digitais na educação
14h - Contação de história com Ariadne Cantú14:00h - O Casamento de Romeu e Julieta
19h - Prof. Me. Gílson Demétrio Ávalos - Tema: Acentuação gráfica: construção e contexto
15h30 - Contação de história com grupo de da SEMED Palavras de Alfenim17:00h - O Bem Amado
.
SABADO 23.06.1214h - Joao Paulo Cuenca15h30 - Debate Guto Lins - Mediador: Me. Gilson Demétrio Ávalos - SED
Tema: O que os olhos não veem, o coração não sente10h - Pintura facial com Prof. Lucimar Weiler (SEMED)10h - Prof. Dr. Danglei de Castro Pareira - Oficina de leitura literária: Diálogos com a África
14h - Contação de história14:00h - Lisbela e o Prisioneiro
18h - Teatro Infantil com Maria Marta17:00h - O Brasil Animado
.
DOMINGO 24.06.1214h - Emmanuel Marinho
Palestra show15h30 - Prof. Paulo Robson - Mediadora: Prof. Esp. Erika Karla Costa - Tema: A casa dos animais10h.  Wanick - Oficina de ilustração10h - Rosa Neide Cardoso e Gustavo Aurélio Tomé Azuaga - Tema: Variações Linguísticas
14h - Contação de História com Regina Helena Rangel de Almeida14:00h - Os Normais 1
16h - Contação de Histórias com Eliane Ribas e Adriana Passos17:00h - Os Normais 2


quinta-feira, junho 14, 2012

Tessituras - poesia de Delasnieve Daspet

Tessituras
       Delasnieve Daspet
.
Ouço as vagas noturnas,
O coração da terra geme,
O sol mergulha no mar,
As estrelas brilham no firmamento...
No silêncio da noite,
Na tessitura da Vésper,
Na imperfeita linguagem humana,
Não consigo traduzir
Tua ausência...
Onde te escondes?
DD _ Delasnieve Daspet,  22  de maio  de 2012

GOOGLE DELETA POESIA PLAGIADA DO BLOG DE JOÃO PEDRO - IN MY MIND - http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br


 [#1049183832] Sua solicitação ao Google
 
 MEU POEMA QUANDO OS OLHOS SECAM QUE TINHA SIDO COPIADO PELO INDIVIDUO QUE SE DISSE CHAMAR JOÃO PEDRO  - NO SEU BLOGUE  IN MY MIND - E QUE SE ENCONTRAVA NO ENDEREÇO ADIANTE -  http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/2008/12/quando-os-olhos-secam.html
APÓS DENUNCIA FEITA POR MIM AO GOOGLE -  FOI DELETADO CONFORME VOCES PODEM VERIFICAR NO LINK .
O MEU CONSELHO É REGISTREM. ASSIM PODEMOS RESOLVER AS COISAS A CONTENTO E OS JOAO PEDROs DA VIDA FICAM ASSIM...À DERIVA - SEM LENÇO NEM DOCUMENTO.
.
DELASNIEVE DASPET
 
RESPOSTA A DENÚNCIA FEITA AO GOOGLE
RESPOSTA DO - GOOGLE
 ----- Original Message -----
From: "A Equipe do Google" <
removals@google.com> To: <daspet@uol.com.br> Sent: Wednesday, June 13, 2012 10:55 AM Subject: Re: [#1049183832] Sua solicitação ao Google

Olá,

Em conformidade com a DMCA, concluímos o processamento da sua reclamação
 de violação, e o conteúdo em questão não aparece mais nos seguintes URLs:
 
http://joaopedrotusabes.blogspot.com/2008/12/quando-os-olhos-secam.html

Entre em contato conosco caso precise de mais ajuda.

Atenciosamente,
 A Equipe do Google



Original Message Follows:
> ------------------------
 From:
daspet@uol.com.br
 Subject: Sua solicitação ao Google
Date: Tue, 12 Jun 2012 23:32:05 +0000


AutoDetectedBrowser: Internet Explorer 8
 AutoDetectedOS: Windows XP
 IIILanguage: pt-BR
 IssueType: lr_dmca
 Language: pt-BR
 agree1: checked
 agree: checked
 companyname:
 country_residence: BR
 description_of_copyrighted_work:

 Receba um aviso sempre que este autor publicar novos textos, clique aqui
 Poesias-->Quando os olhos secam... -- 02/09/2003 - 21:10 (Delasnieve
 Daspet)
 Patrocine esse Autor Patrocine esse Texto envie este texto para um amigo

veja outros textos deste autor
   
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=luna!!®
.
 Quando os olhos secam...
 Delasnieve Daspet
 
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=78639&cat=Poesias
. .
 Quando os olhos secam
 É porque já chegamos a um lugar
 além das lágrimas.
 .
 Um espaço desolado e silencioso
 Onde nada cresce
 E os sonhos são abatidos
 Por falta de sustento.
 .
 Sem perceber, alheia ao que me cerca,
 cruzei o rio invisível...
 E meus olhos e minha boca
 Jazem, cheios de pó, no incomensurável.
 .
 Perdi as lágrimas, perdi o conforto.
 Apenas o vazio
 Há séculos recordo e ouço.
 _______________________________
 Delasnieve Daspet
 02-09-03 15,50 hs
 Campo Grande MS

###########################
 copia fraudada por JOÃO PEDRO
 
http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/2008/12/quando-os-olhos-secam.html
 QUANDO OS OLHOS SECAM
.
Quando os olhos secam
É porque já chegamos a um lugar
 alem das lágrimas.
 Um espaço desolado e silencioso
 Onde nada cresce
 E os sonhos são abatidos
 Por falta de sustento.
Sem perceberes, alheio ao que te cerca,
cruza o rio invisível...
E teus olhos e tua boca
Jazem, cheios de pó, no incomensurável.

Perdi as lágrimas, perdi o conforto.
 Apenas o vazio
 Há séculos recordas e ouves.
 JOÃO PEDRO
Publicada por JOÃO PEDRO em Segunda-feira, Dezembro 29, 2008
 
#########################################
COMPROVAÇÃO DE AUTORIA:

 dmca_signature: Delasnieve Miranda Daspet de Souza
 dmca_signature_date_day: 12
 dmca_signature_date_month: 6
 dmca_signature_date_year: 2012
 full_name: Delasnieve Miranda Daspet de Souza
geolocation: BR
 hidden_dmca_category: text
 hidden_product: blogger
 location_of_copyrighted_work:
 O meu poema é registrado na Fundação
 Biblioteca Nacional - Ministério da Cultura - nº 249.972
  QUANDO OS OLHOS SECAM FOI PUBLICADO EM 02.09.2003 - NO SITE
USINA DE LETRAS:
 Quando os olhos secam...
 Delasnieve Daspet
 
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=78639&cat=Poesias
 Poesias-->Quando os olhos secam... -- 02/09/2003 - 21:10 (Delasnieve
Daspet)
 e
 Esta no meu livro DE LIBERTE EN LIBERTÉ - 2ª edição - Editora
Yvelineédition - mars 2010  - Paris - França - ISBN 978-2-84668-246-6 -
 QUANDO OS OLHOS SECAM - QUAND LES YEUX DEVIENNENT SECS -página 72 e 73 (
 editado na França - bilingue)
 e no livro VON FREIHEIT ZU FREIHEIT - Editions Istitut Culturel
 Solenzara  -  2010 - ISBN 978-2-919320-20-2  -  Wenn die Augen trockene
 werden pagina  25 ( edição em alemão)
.
represented_copyright_holder: Delasnieve Miranda Daspet de Souza
url_box_1:
 
http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/2008/12/quando-os-olhos-secam.html

sábado, junho 09, 2012

MAIS UM PLAGIADOR NO PEDAÇO.

 
AMIGOS - MAIS UM PLAGIADOR NO PEDAÇO.
NOME: JOÃO PEDRO
BLOG:IN MY MIND
ENDEREÇO DO BLOG DO INDIVIDUO:
http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/
ENDEREÇO ONDE ELE COPIOU O MEU POEMA:http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/2008/12/quando-os-olhos-secam.html
ESTE MELIANTE QUE SE DIZ CHAMAR JOÃO PEDRO - COPIOU INTEGRALMETE POEMAS MEUS
E DA TAYHANE RANGEL.
O MEU POEMA QUANDO OS OLHOS SECAM FOI PUBLICADO EM 02.09.2003 - NO SITE
USINA DE LETRAS:
Quando os olhos secam...
Delasnieve Daspet
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=78639&cat=Poesias
Poesias-->Quando os olhos secam... -- 02/09/2003 - 21:10 (Delasnieve Daspet)
.
VAO LÁ CONFERIR  DE REPENT ACHAM ALGUM SEUS. DENUNCIEM AO BLOGGER.
.
DELASNIEVE DASPET
OABMS 2181
.
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget