quarta-feira, novembro 05, 2008





Romântica
Delasnieve Daspet

Quando te vejo fica a pergunta: me vês, também?
Não sou assim - mas pego-me querendo compartilhar contigo
Os meus mais profundos sonhos,
As noites frias e solitárias,
O meu universo interior...

O sangue corre rápido acelarando a pulsação,
E de tanto amor - já não tenho forças para gritar,
E o meu canto se dilui em salgadas gotas
Que brilham no meu olhar...

A melodia é mais um lamento do bardo
Que se esconde em seus conflitos internos
Usando-os como escudo, uma defesa, uma arma contra o desamor.

E o poeta se oferece em letras,
Pois o que ele escreve e canta é a dor de sua alma...
Porque não vens com teu olhar afagar minhas noites insones,
Tocar meu corpo,
Brincar comigo,
Sorrir meu riso,
Por quê?

Sou louca, triste, desiludida?
Sou tudo e sou nada?
Sou eu - quando busco no meu interior
Ver as coisas como são ou como deveriam ser?

Cantando o maior sentimento que existe,
Sou como o sereno que cai na madrugada,
Prenunciando o alvorecer...
DD_Campo Grande-MS - 15/09/08

Um comentário:

  1. Cruzei aqui só para dar uma olhadinha e estou gostando de ver seu blog, com certeza ele vai bombar(assim dizem os jovens), eu também iniciei o meu assim, penando e aprendendo, com muita água para rolar pela frente. Quem sabe trocamos algumas idéias, sugestões, frases, poesias...Passa lá! http://solbatt.blogspot.com/

    Te espero!
    Super beijo e boa sorte!
    Solange

    ResponderExcluir

Obrigada por nos visitar, por nos ler e por deixar um comentario.
Volte sempre!

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget