sábado, junho 13, 2009

POESIAS



1.
Lembrarás, Um Dia!
Delasnieve Daspet



De braços abertos
ofereci meu amor.
Minha palavra não é lixo
e será lembrada.
Lembrarás, um dia, quando tudo já for em vão.

Por isso as escrevo...
Se as deixar soltas, espalhadas,
como páginas de um livro rasgado,
estarão perdidas.

Por isso eu afirmo:
Não vou amar de novo!...
Construi um muro, fechei os quatro cantos,
já não quero olhar a estrela que
brilha ao meu lado...

Já não quero lembranças saídas do passado.
Dores marcadas a ferro, tatuadas n´alma,
na pele, com aço.
Não vou lembrar imagens que
sugiram saudades, não vou!

A amargura é colossal,
alta, profunda, larga, dolorida.
Não se pode ignorar, galgar,
transportar, arrancar.
É imensa, como uma nuvem, que tudo tolda.

Já não quero nada que me lembre o amor,
já não quero me lembrar do nascer do sol,
da lua pequenina na colina,
da viola de cordas mortas,
e da voz do poeta canta-dor ...
Mas tu... lembrarás, um dia!
__DD -13-03-04 0,25 hs
Campo Grande MS


2.
Despedindo-me do passado...

Delasnieve Daspet


Foi tudo tão breve.
A tua presença, estrela peregrina,
foi tragada pela terra,
naquela noite triste.

O céu fez questão de ocultar
qualquer lembrança tua,
e no silêncio profundo,
que validade teriam minhas saudades?

Duas lágrimas quentes rolam pelas faces,
pois te lembro, tênue luz brilhante,
que o tempo vai esmaecendo...
Mas, vou me lembrar para sempre!

Oh! quantas vezes te busquei?
Vasculhei oceanos, desci a abismos,
viajei o cosmo inteiro.
Movi céus e terras,
finalmente, te encontrei!

Pássaro errante,
sinto tua presença
como sinto o vento.
Sei que estas ao meu lado,
mesmo não te vendo!

Te ouço, te sinto, te espero
séculos e séculos.
Perdura, em mim, o som de tua melodia,
e me chegas no frescor da manhã,
como uma rosa matutina.

Despeço-me do passado triste e solitário,
sei, hoje, o meu destino,
sem ti, tudo foi dor e treva..
Mas eu te encontrei,
juro, ser tua, para sempre!
___DD - 17 - 04 - 04 - 23,44 hs
Campo Grande MS

3.
Primeiro Amor.

Delasnieve Daspet


Imaginei-me jovem,
Sentada ao teu lado na beira do rio,
Tua pele brilhando ao sol.
Não me lembro da conversa
Só da sensação do primeiro amor.

Deitada - ouvia o sussurro da floresta,
O coração falhava uma batida,
Na doçura do casulo que nos envolvia.

Ficávamos à sombra da mangueira,
Na tarde preguiçosa dos dias,
Emudecidos pelo prazer de amar.

E falávamos.....
Tanto havia a ser dito
Como se houvéramos guardado para nós
Tudo o que não podia ser expressado.

E no caminho formado pela lua sob as águas,
Ligando o rio e o horizonte,
Andamos, quebrando as ondas no escuro
Entregues aos sonhos...

O primeiro amor marca profundamente.
Invade nosso sangue,
Toma conta d´alma.

Se for o amor verdadeiro
Nos dará também a segurança de navegar
Pela vida, completo, unidos,
Um porto contra todas as tormentas...
DD-20-08-03 - 23,55 hs
Campo Grande MS



4.
Ora lembrança já saudade....

Delasnieve Daspet



Mesmo que minha voz seja o silêncio,
que minhas palavras sejam plúmbeas nuvens,
meu olhar, água parada, sem vida,
minhas mãos pendam para o vazio,
ainda assim, haverá sons nos prazeres ,
sons vibrantes, de meus sonhos,
sons em versos, poesias, palavras e melodias,
que balança, desfolhadas pelo vento...

Anoitece tão rápido, tão repentinamente
Não me acostumo: ora sol já é lua.
Ora lembrança já saudade,
através da densa névoa que flutua
pensamentos e e anseios ligados entre si.
Nem posso escolher se vou ou se fico...
.... e sigo!


A vida hoje já passou e sinto saudades
do novo que espero viver.
Não é preciso lua no céu,
nem uma lagoa azul,
não quero estrelas brilhando,
nem uma viola tocando,
não preciso de surpresas...
Quero - com os olhos abertos,
pés plantados no chão,
que meus sonhos se tornem realidade.
_DD_ 30de janeiro de 2004
Campo Grande MS


5.


Liberdade de partir.

Delasnieve Daspet


Eu podia gritar,
Podia mentir,
Podia dizer a verdade
sem necessidade de camuflar o sentir.

Mas... para que?
Nada do que faça irá mudar a situação.
Quanto mais solta as rédeas
Mais pesado é o grilhão.

E cansada vago pela terra,
Pelos céus, pelos mares,
Pelos montes e pelos vales
Procuro a dor dourada que consome.

E na suave descida
Do cinza pálido do alvorecer,
Buscando o sonho aprendo,
Que o segredo de amar
Está muito além do horizonte,
É a liberdade de partir ou de perder.
_DD-12-11-03 - 10,30 hs
Campo Grande MS


6.
Salgueiro Triste

Delasnieve Daspet


Olho com avidez o sol.
Danço na escuridão.
E, abraçando a negritude da noite, busco a luz.

Noite, mostre-se!
Traga teu fogo, pois vago no teu desejo.
Traga-me tua carne pois anseio pelos
beijos que sorvem a liquidez de minh´alma.

Estou debaixo das asas do salgueiro.
Salgueiro triste e chorão...
Nos teus galhos balancei a alegria
De minha meninice,
Sonhava e sorria....
Hoje, me embala a nostalgia...

O poeta pode ser perigoso.
Perigoso e imprevisivel,
Pois ele pode chocar como
Uma forte tempestade,
Ou pode chorar como um salgueiro triste!
DD _ 13-04-04 - Campo Grande MS
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.phtml?cod

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por nos visitar, por nos ler e por deixar um comentario.
Volte sempre!

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget