sábado, junho 13, 2009


DELASNIEVE DASPET E O MUNDO DOS POETAS.
De João Justiniano da Fonseca

Há pessoas que seguindo caminhos diferentes se destacam e evoluem no correr do tempo por razões várias em espaços diversos. Há as que percorrem as mesmas trilhas em igual espaço, por razões idênticas. Chegam ao mesmo destino na trajetória terrena. Ao cabo, dizem uns - dei conta do recado, cumpri a missão - falam outros. Fecham o círculo da vida.Os poetas e os deuses cursam a senda espiritual. E, mansamente, de braços dados, pisam passo a passo os longínquos chãos do sonho e da esperança. Por vezes, tomam asas e voam milhas à busca do destino. Não cansam, não gemem, não recuam. O destino de ser deus ou ser poeta traz o elo especial do incomensurável, que prende ao infinito azul. Os poetas e as deusas, os deuses e as poetas são o extrato do belo iluminado, do ouro pingando cristal, do cristal derramado em faíscas multicoloridas para enfeitar um pouco mais o belo da poesia. E esse todo que avistamos no éter azul sem limite, vale como pão que alimenta os deuses e os poetas, é o seu tudo e o seu todo, sua poesia - seu próprio ser. Materialmente simples criatura terrena, espiritualmente reproduzindo ninfas, para criar o eterno, o poeta memorializa a eternidade e aí se transfigura. Poeta e deus, deus e poeta, luz e beleza.Estas lembranças de navegante interplanetário, confundindo entre si o material e o espiritual, que em termos de poética são irmãos siameses, vêm acerca de Delasnieve Daspet, a poeta maior da contemporaneidade brasileira na sua força de expressão, em sua capacidade de ser e sua condição pessoal de realizar.Admirável, impressionante como criatura humana, diviniza-se para o milagre do trabalho. Embaixadora de Poetas Del Mundo no Brasil e Embaixadora da Paz, de tanto produzir e comunicar deixa a impressão de que mora à frente do computador, aí come e bebe, dorme e acorda produzindo belos poemas, criando textos, divulgando pessoas, oferecendo informações. Carrega-o debaixo do braço, trabalha a bordo do avião que navega pelo Brasil e pelo exterior, de pouso em pouso pregando paz e poesia, viver humanizado entre seres que desumanamente se hostilizam por hostilizar-se – alguma coisa assim como se praticassem o esporte do mata e morre.Vem, a pouco, a poeta maior, de lançar na Cidade Luz o seu caçula – DE LIBERTÉ EN LIBERTÉ, bilíngüe em português e francês. Como em regra no seu rico trabalho intelectual, canta, neste livro, as belezas da vida e da natureza, fala de amor e florestas, ela que é em parte amazônica dos pantanais de Mato Grosso do Sul, em parte universal. Junta o amor à pessoa humana e o amor à flora, para pregar, no canto, a paz entre os homens, como indivíduos, como povos.A paz, senhores, a paz! Parece que as tradições já marcam como destino humano a guerra entre os povos? Desde que se conta a história humana a guerra está viva. Nunca parou de existir, nem um dia fechou o maldito bocão dos canhões e das metralhadoras. Agora são mísseis de longa distância. Os líderes que comandam nosso destino são insensíveis à dor do semelhante? Eles não vão pessoalmente ao campo de batalha, mandam à distância, não imaginam, sequer, a dor de que são causa. Quem nos dirá que no amanhã, quando chegar a era da comunicação interplanetária, os planetas entre si conhecidos, entre si não guerreiem numa luta de fim de vida, caminhando para a escuridão total? E por quê? Porque o destino das pessoas marca o signo da guerra? Porque a cultura universal milenar criou o destino da estupidez? Maldita seja a guerra entre os homens, irmã Delasnieve Daspet. Eu a acompanho na leitura e no sentimento, no amor à paz. Falta-me a força de espírito que te move, a capacidade e o preparo intelectual para gritar contigo ao mundo inteiro. Certo, certo, certo é que no meu ler constante, no meu velho observar, chego à feliz conclusão de que no mundo inteiro o sentimento maior e a vontade predominante estão contigo pela paz entre os homens e entre os povos. Falta, para que isso se efetive, um toque, um quê de superior à mente humana. Um dia a corneta do destino tocará dos infinitos azuis o canto de paz universal e os homens entre si, feitos em poetas e deuses de braços dados andarão em terra, voarão no espaço contigo. Deus a salve, querida amiga, na tua pregação missioneira de amor.
João Justiniano
Publicado no Recanto das Letras em 09/06/2009Código do texto: T1639606http://joaojustiniano.blog.terra.com.br/delasnieve_daspt_e_o_mundo_dos_poetas
joaojustiniano@terra.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por nos visitar, por nos ler e por deixar um comentario.
Volte sempre!

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget