domingo, maio 31, 2009






MEDO


Delasnieve Daspet



Tenho medo
Não disse o que deveria
E o não dito me encolhe
Me deixa insegura.
Sinto um suor gelado
Do medo rastejando em minha pele.

Nao consigo me reencontrar.
Ando insegura.
Devagar.
Esquecendo.
Confundindo.
O não saber,
O desconhecido é quem me tolhe o movimento.

Preciso centralizar as emoções.
Os sentimentos.
A fera que sou.
Sair deste silencio brando da morte!

Vou sufocar o grito.
Limpar a garganta seca.
Arrancar a roupa,
Correr pela floresta,
E voltar.

Voltar.
Trazer em meus braços os sonhos.
Ouvir no silêncio.
Me fazer rio.
Inundar devagar.
Naufragar.
Sobreviver.

Vou olhar a nuvem pela janela.
Correr com ela.
Não vou morrer em vida.
Não vou mais esconder
A lágrima
No vidro vazio.
DD_08-09-2001 23 hs - Campo Grande MS


Um comentário:

  1. Profundo texto esse,amalgamado de intensa e profunda emoção e amor à vida!

    Viva a Vida Pessoa!

    ResponderExcluir

Obrigada por nos visitar, por nos ler e por deixar um comentario.
Volte sempre!

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget